pétalas2.png
pétalas.png

ESPAÇO DE

OPINIÃO


Quando me convidaram para escrever este artigo, pensei: não vou abordar, de todo, o tema

COVID-19, já estamos saturados. Mas a realidade é que permanecemos confinados e a

crise pandémica que atravessamos alterou a forma como nos relacionamos com o mundo,

com as pessoas e connosco próprios. Estas mudanças têm impacto na forma como as

marcas comunicam e nas ferramentas que utilizam para chegar à sua comunidade.


O MUNDO MUDOU, E AGORA?


É o que nos perguntamos. Depois da crise sanitária, qual o estado da comunicação e da

criatividade?


Como em todas as crises há sempre espaço para aprendizagem e oportunidades.


A relação das pessoas com a tecnologia e com o digital transformou-se, estão mais

familiarizadas com os gadgets e as plataformas online; todos ficamos a conhecer o zoom ou

o google meets para reuniões, e em média passamos cerca de 143 minutos por dia nas

redes sociais.

O cinzento que vivemos em confinamento torna-se um pouco mais claro porque

conseguimos sentir-nos mais perto de quem gostamos quando recorremos a estas

plataformas, social networks. Não podemos ir a centros comerciais mas podemos comprar o

que queremos em lojas online, e nem precisamos de carregar os sacos. O jantar de amigos

de sexta-feira no Príncipe Real, passou a ser um pedido na Uber Eats e brindamos pelo

zoom.

Todos estamos a ser confrontados com uma nova realidade, que nos impugna mas que

estimula a nossa criatividade, temos de encontrar estratégias e soluções para nos

entretermos, estarmos mais próximos de quem nos faz falta e, em encontrarmos afecto e

bem-estar psicológico apesar da privação de liberdade individual a que estamos sujeitos.


MAS... E, AGORA?


Agora é tempo de ADAPTAÇÃO, já dizia o biólogo, Charles Darwin que a adaptação é a

chave para a evolução. Mais do que nunca os criativos, marketeers, profissionais de

comunicação têm um papel extremamente importante para a perpetuação das marcas. É

agora tempo de auscultar a comunidade, perceber as suas necessidades e preocupações e

encontrar o território de cada marca, utilizando todas as ferramentas e tecnologia que temos

disponível para alcançarmos os diferentes targets. Pensar conceptualmente é decisivo! No

último ano, a criação de conteúdo digital teve um crescimento muito acentuado (por razões

óbvias), agora é tempo de criar com conceito, ter um propósito. Este propósito vai ser a

ordem do dia para as marcas se destacarem e encontrarem o seu espaço.


Mais uma vez, a criatividade surge como o elemento que faz a diferença.


Enquanto managing partner da digital connection, o negócio cresceu em 2020 e tem

seguido o mesmo ritmo de crescimento no início deste ano. Contudo, a nossa abordagem

mudou, a exigência aumentou, os desafios são maiores e temos de nos apoiar mais em

equipa para chegarmos aos resultados que pretendemos. A inovação e o sair da caixa é

essencial para nos destacarmos num meio de hiperinformação.

A criatividade que temos para sobreviver no nosso dia-a-dia com amigos e família é o que

nos faz pensar fora da caixa na profissão.

Apesar das viagens estarem em standby é o momento de aprender com o passado, com o

diálogo online, e com o melhor que nenhum vírus nos pode tirar, a liberdade de criação e

pensamento.


João Silva Managing Partner, Digital Connection


Júri na Categoria de Digital