Ninguém esperava que fosse chegar uma pandemia com essa proporção, nos pegou de surpresa. Bill Gates até tentou avisar ao mundo que poderia acontecer uma, mas ignoramos.

E, de repente, já estamos completando cem dias sem eventos presenciais, simplesmente parou. Como dizia a música de Raul Seixas “O Dia em que a Terra parou”, desta vez, parou mesmo.


Uma situação inédita, que nos obrigou a agir rápido, sair daquela tal zona de conforto, porque virou questão de sobrevivência. Divido a quarentena em três fases: primeiro aconteceu aquele choque inicial, ficamos sem entender o que estava acontecendo. Depois do choque, veio a aceitação, uma reflexão profunda de que estávamos diante de uma mudança de visão, de propósito.


Primeiro como pessoa e depois como empresa. A terceira fase é a produção e a gratidão. Aqui já estamos cientes da necessidade de viver de uma forma diferente.

Ficou claro para mim que, após passarmos por essas fases, o que é vital para gente seguir em frente é a colaboração, é a criação de novas sinergias, de diferentes formas de atuação, parceria real entre as pessoas.


Quem não abrir a mente para criar sinergias verdadeiras, profundas, terá muita dificuldade no futuro. Se antes falar de cocriação era essencial, agora é vital.


Humanizar a forma de criar novas soluções é o que caminho que temos, criando times e redes de colaboração com profissionais de diferentes disciplinas, vivências e visões; olhar para as marcas como agentes de humanização, como elas agora podem retribuir a humanidade, como podem verdadeiramente ajudar as pessoas, com ações rápidas, que chegam para quem precisa.


As marcas e todos nós precisamos nascer de novo, olhar o futuro com criatividade, unindo tudo de bom que está nascendo, humanizando a tecnologia.

Estamos em uma fase de muita inovação. São bilhões de pessoas em suas casas, pensando e criando novas formas de ver o mundo.


Diante de tantas possibilidades, os profissionais precisam agir, colocar em prática suas ideias, criar conexões com outros profissionais, unir capacidades para criar projetos de valor, resolver problemas e contribuir para a retomada.


O presente e o futuro começam na cocriação.



Luiz Paulo CEO FIXE


ESPAÇO DE

OPINIÃO